01 agosto 2016

A VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO RIO NOS JOGOS OLÍMPICOS

Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos são eventos de massa, históricos, que reúnem pessoas de diversos países no país sede. Os jogos ocorrem a cada quatro anos em um país específico e reúnem esportistas que concorrem em diversas modalidades. Os jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 têm como país anfitrião o Brasil e como cidade sede a cidade do Rio de Janeiro, no período de 5 a 21 de Agosto e 7 a 18 de Setembro de 2016, respectivamente. Entretanto, os jogos de futebol ocorrerão em mais cinco cidades: Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Salvador e São Paulo.

Objetivo da Vigilância em Saúde nesse tipo de evento é avaliar riscos de danos à saúde pública, que podem ocorrer durante os Jogos, nas cidades sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, com ênfase para os riscos de potencial impacto relevante em saúde pública.

Clique aqui para acessar a página da Superintendência de Vigilância em Saúde do Rio, onde está disponível o documento A Vigilância em Saúde do Rio nos Jogos Olímpicos.

Fonte: Prefeitura da Cidade do Rio de janeiro. Secretaria Municipal de Saúde. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/sms/vigilancia-em-saude?id=4376257>. Acesso em: 01 AGO. 2016.

30 junho 2016

CLIPPING: CASOS DE DENGUE NO BRASIL APRESENTAM QUEDA ANTECIPADA


“Neste ano, o declínio de casos começou antes do previsto, uma vez que, historicamente, o pico das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é em abril. As ações de combate ao mosquito da dengue, Zika e chikungunya, que foram intensificadas no país desde o fim do ano passado se mostraram efetivas e essenciais para controlar e diminuir a circulação do vetor”, avalia o  ministro da Saúde, Ricardo Barros. O ministro lembrou que se não fosse a intensificação das medidas de prevenção e o apoio da população, neste ano, os casos de dengue poderiam ainda ser mais expressivos do que no ano passado.

OLIMPÍADAS - Nas cidades onde haverá os jogos Olímpicos e Paralímpicos, os números apresentam comportamento semelhante ao nacional, com pico da doença entre fevereiro, março ou abril e queda expressiva nos meses seguintes. O município do Rio de Janeiro, por exemplo, teve o maior registro de casos prováveis de dengue na última semana de fevereiro, com 2.420 casos. Nas semanas posteriores, os dados caíram, chegando a 12 casos notificados na última semana de maio, o que representa uma redução de 99,5%.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, relembra que na Copa do Mundo de 2014 as pessoas também tinham medo de vir ao país e pegar doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. “Durante a Copa foram registrados apenas três casos em turistas. As estatísticas mostram que o período dos jogos não é epidêmico. Isso ocorre, principalmente, porque no inverno as chuvas são menos frequentes o que dificulta a proliferação do mosquito”, afirmou.

Os números de dengue são de notificação obrigatória no Brasil desde 1961. Para os casos de Zika e chikungunya ainda não é possível fazer uma comparação, já que não há histórico de registros suficientes.

23 junho 2016

PAGAMENTO DA PRIMEIRA PARCELA DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

DECRETO RIO Nº 41865 DE 20 DE JUNHO DE 2016

Dispõe sobre o pagamento da primeira parcela do décimo terceiro salário dos servidores municipais do exercício de 2016 na forma que menciona.

A primeira parcela do décimo terceiro salário dos servidores ativos a aposentados da administração direta e indireta do Município do Rio de Janeiro será creditada no dia 15 de julho de 2016. As secretarias municipais de Administração, Fazenda e o Instituto de Previdência e Assistência do Município - Previ-Rio adotarão os critérios necessários para a implementação do pagamento.

Clique aqui para ver o Decreto na íntegra.

Fonte: Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro | Poder Executivo | Ano XXX | Nº 65 | Terça-feira, 21 de Junho de 2016.

06 junho 2016

CLIPPING: PROFESSOR DA UFRR FAZ ALERTA PARA RISCO DE CONTAMINAÇÃO POR MERCÚRIO

Conforme alerta, contaminação pode estar chegando à população urbana por peixes contaminados e lixões a céu aberto e sem critérios de uso

O alto nível de mercúrio entre os povos das etnias Yanomami e Ye'kuana já foi apontado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que divulgou estudo, no inicio do ano, comprovando a contaminação através da ingestão de peixes que provocaram sérios problemas de saúde nos indígenas, principalmente mulheres e crianças. O nível de mercúrio nas pessoas estudadas chegou a 92,3%, conforme a pesquisa. Em entrevista à Folha, à época, o líder Yanomami Davi Kopenawa afirmou que o garimpo ilegal praticado dentro da terra indígena é o principal responsável pela contaminação.
Professor afirma que lâmpadas em lixões a céu
aberto contém mercúrio (Foto: Divulgação)
O professor do Curso de Geologia da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Wladimir Souza, fez um alerta de que essa contaminação já pode estar chegando à população não indígena através dos peixes contaminados próximos a garimpos, como também pelos lixões a céu aberto e sem critérios de uso. "Já é uma preocupação real. Temos que ter fiscalização mais efetiva dos órgãos ambientais, no uso indiscriminado de mercúrio, principalmente nos garimpos ilegais nos nossos rios e também conscientização de uso dos lixões, devido ao mercúrio existente em lâmpadas, por exemplo", disse.  
Embora tenha afirmado que não exista ainda um estudo sobre a real situação dos rios de Roraima, devido à complexidade de localizar o mercúrio, Souza disse que os mais contaminados são os rios Uiraricoera e Mucajaí, pela comprovação de garimpo em suas margens. Ele alertou para a necessidade de saber a procedência do pescado que colocamos à mesa.
Para ele, o mercúrio é um mal silencioso e invisível que, aos poucos, está chegando próximo às pessoas. "É complicado fazer um estudo sobre a presença do mercúrio na água, pois ele não fica submerso. Mesmo fazendo a pesquisa, ele não será acusado, pois é um metal pesado e, em contato com a água, vai direto para o fundo do rio", disse.
Ele explicou que, justamente por ir direto para o fundo do rio, o mercúrio se junta aos sedimentos que são ingeridos facilmente pelos peixes e, dessa forma, chega à nossa cadeia alimentar. "Ao comer esse mercúrio, ele entra na cadeia alimentar de um peixe para outro até chegar à nossa mesa. Uma vez ingerido, esse metal adere ao tecido adiposo e não é expelido. Ataca o sistema nervoso central e provoca várias doenças, podendo afetar órgãos vitais, como pulmões e rins das pessoas. Então, temos que ao menos procurar saber a procedência desse peixe, se não é de regiões próximas a garimpos", frisou.
Entre as ações que devem ser feitas para evitar a ingestão de mercúrio, Wladimir Souza disse que aumentar a fiscalização e o combate ao garimpo clandestino, maior responsável por jogar o metal nos rios de Roraima, seria o ideal. "O mercúrio é um dos maiores e piores problemas que temos nos rios da Amazônia, e isso precisa ser combatido o quanto antes. Mas o mercúrio não é só do garimpo, vem também dos lixões, principalmente das lâmpadas que trazem uma pequena quantidade de mercúrio e contamina o lençol freático. Temos que ter essa preocupação em cobrar fiscalização dos órgãos públicos", frisou. (R.R)
Fonte: FolhaWeb. Disponível em: <http://www.folhabv.com.br/noticia/Professor-da-UFRR-faz-alerta-para-risco-de-contaminacao-por-mercurio-/16755>. Acesso em: 06 JUN. 2016.

30 maio 2016

PASSAPORTE CULTURAL RIO

O Passaporte

Durante o período cultural olímpico, de maio a setembro de 2016, o Rio de Janeiro receberá memoráveis espetáculos, exposições, shows e eventos que se espalharão por nossos teatros, museus, centros culturais, lonas, arenas e bibliotecas, além de, é claro, os tradicionais espaços ao ar livre, ruas e praças de todas as regiões.

O Passaporte Cultural Rio é a sua ferramenta de benefícios que trará descontos e/ou gratuidades nesses eventos e nos parceiros de serviços que farão parte da Programação Cultural Rio.

 

Faça já o seu!

É muito rápido e fácil obter o seu Passaporte Cultural Rio: Cadastre-se aqui no site e garanta a sua participação. Depois, é só escolher entre retirar em um dos nossos Postos de Entrega ou receber seu Passaporte Cultural Rio pelo Correio, sendo gratuito para endereços no município do Rio de Janeiro. O Passaporte é gratuito para brasileiros e turistas pagam apenas R$ 15,00 (quinze reais).

 

Postos de Retirada:

  • Terminal Alvorada, Barra da Tijuca - Avenida das Américas s/n, Trevo das Palmeiras, galeria do Terminal Alvorada, Barra da Tijuca.
  • Cinelândia, Centro - Praça Floriano, s/n, em frente ao nº 31 - Cinelândia.
Atenção: para retirar seu Passaporte Cultural Rio é necessário apresentar o número do seu CPF acompanhado de um documento com foto. Obs.: A retirada do passaporte é pessoal e intransferível.

 

Funciona assim

A cada vez que você apresentar seu Passaporte Cultural Rio em um dos eventos ou parceiros comerciais cadastrados, você ganha um desconto ou gratuidade. Além disso,você receberá um carimbo em uma das folhas do seu Passaporte. Assim, você também guardará para sempre as lembranças de todos os lugares por onde passou, enquanto curtia este momento tão histórico e emblemático, que são as Olimpíadas do Rio.

Faça o seu Passaporte Cultural AQUI

11 maio 2016

CLIPPING: EXPERIÊNCIAS DISTINTAS, OBJETIVOS IGUAIS: FÓRUM LUTA POR JUSTIÇA AMBIENTAL


O momento político e social que vivemos no país afeta diretamente o direito democrático, impactando na população que sofre com a ausência de políticas públicas e ambientais que garantam um bem viver para todos. Essa foi a tônica do Encontro Estadual do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social no Rio, realizado na ENSP e que reuniu pesquisadores, estudantes, moradores da periferia, militantes de movimentos sociais e entidades que lutam por direitos no Brasil, trazendo uma diversidade de pensamentos, entre revelações, reflexões e dados científicos. Organizado pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, o encontro buscou congregar iniciativas comuns para o desenvolvimento de redes de pessoas ou governos na busca por políticas ambientais, além de preparar uma agenda prévia para os fóruns regionais e nacional de mudanças climáticas que acontecerão ainda em 2016.

A mesa, coordenada por João Paulo Couto, assessor nacional de Gestão de Riscos e Emergências/Cáritas Brasileira, contou com exposições do pesquisador de saúde ambiental e saúde do trabalhador da ENSP Marcelo Firpo, da coordenadora de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll, Maureen Santos, do representante do Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo da Baía de Guanabara, Yoshiharu Saito, e da jornalista autora da página Nova Ética Social, no G1, Amélia Gonzalez. Para apresentar os problemas de injustiça ambiental no Rio de Janeiro, os organizadores fixaram um grande mapa do estado no auditório térreo da ENSP, onde os participantes puderam denunciar problemas locais de forma a construir uma representação fiel da situação e que afeta diferentes grupos sociais e étnicos.

Clique aqui para ver a matéria completa.

Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39590>. Acesso em: 11 MAI 2016.

PRAZO PARA ADESÃO SEM CARÊNCIA AO PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR É PRORROGADO

O prazo para adesão, mudança de operadora ou cancelamento do Plano de Saúde do Servidor Municipal (PSSM), que terminaria nesta terça-feira (10/05), foi prorrogado até o próximo domingo (15/05). O período para adesão sem carência ao plano coletivo empresarial também está incluído nesta prorrogação. A portaria do Previ-Rio aumentando o prazo foi publicada no Diário Oficial do Município do dia 10/05.

Para aderir ao PSSM; mudar de operadora, ou cancelar o seu contrato atual, os servidores, ativos ou aposentados, e os pensionistas do Funprevi deverão acessar o sistema PSSM On line, disponível no site e manifestar a sua opção; já para adesão ao plano coletivo empresarial basta acessar aqui

Fonte: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/previrio/exibeconteudo?id=6116023>. Acesso em: 11 MAI. 2016.

02 maio 2016

PREFEITURA ANTECIPA VACINAÇÃO CONTRA A RAIVA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS


Do mês de maio até dezembro, a Vigilância Sanitária vai visitar casas de comunidades de várias regiões para vacinar cães e gatos contra a raiva, a fim de manter a doença controlada no município. Nesse período, que começa na próxima segunda, dia 2, técnicos do órgão vão visitar todas as residências de regiões previamente selecionadas, de acordo com a probabilidade de riscos, antecipando a campanha Rio sem Raiva de 2016.

A vacinação itinerante vai acontecer nas comunidades de Cachamorra, Vargem Pequena, Serra de Bangu, Carapiá, Serra do Barata, Vargem Grande, Caju, Ilha de Guaratiba, Grota Funda, Grumari, Guandu do Sena, Barra de Guaratiba e Augusto de Vasconcelos. Os vacinadores vão bater de porta em porta e vacinar todos os cães e gatos existentes nas residências. O objetivo de antecipar a campanha de vacinação nesses locais e torná-la itinerante é fazer um controle mais eficiente, evitando que os moradores deixem de levar os animais, por não terem como se locomover.  

28 abril 2016

CLIPPING: FIOCRUZ LANÇA E-BOOK INTERATIVO SOBRE O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

A luta pelo direito à saúde e pela consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) tem se expressado a partir da articulação de trabalhadores das áreas da saúde, pesquisadores e militantes dos movimentos sociais nas últimas décadas. O livro O Que É o SUS - um dos títulos mais procurados da Editora Fiocruz, já tendo sido reimpresso cinco vezes - busca esclarecer o que é, o que não é, o que faz, o que deve fazer e o que pode fazer o SUS. Pela importância do tema e da obra, O Que É o SUS, de Jairnilson Silva Paim, foi selecionado para se transformar no primeiro e-book interativo da Editora Fiocruz, no âmbito do primeiro edital da Faperj especialmente dedicado às editoras universitárias. O livro digital contou com a colaboração da Coordenação de Comunicação Institucional (CCI/ENSP) e da Radis, entre outros.
 
O objetivo do projeto não era mudar o suporte do papel para a tela, mas oferecer uma nova experiência de leitura, onde vídeos, áudios, galerias de fotos, infográficos e outros recursos ora complementassem, ora substituíssem partes do texto original, criando uma nova textualidade eletrônica. O resultado é fruto de uma construção coletiva e, antes, do consentimento do autor, o professor da Ufba Jairnilson Silva Paim, que, generosamente, seguiu "o exemplo de João Ubaldo Ribeiro de não interferir na transformação de seus livros em filmes, novelas ou mini-séries, pois, além de outras linguagens, na realidade, tais iniciativas expressam novas criações", nas palavras do próprio sanitarista. Uma nova criação que, assim como o livro de 2009, busca contribuir para a consolidação, o fortalecimento e a expansão do SUS. 
 
Clique aqui para acessar o livro digital


Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Informe ENSP. Disponível em: <http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/39467>. Acesso em: 28 ABR. 2016.

31 março 2016

MINISTÉRIO DA SAÚDE LANÇA SÉRIE EDUCATIVA “CRIANÇAS CONTRA ZIKA”


A educação e a música são importantes aliadas no desafio de mobilizar a população para o combate ao Aedes aegypti e aos vírus Zika, da dengue e da chikungunya. Pensando nisso, o Ministério da Saúde lança nesta quarta-feira (30/3) o projeto “Crianças contra Zika”, usando a música para ampliar os conhecimentos sobre as doenças e formas de prevenção. A ação faz parte do eixo Mobilização e Combate ao Mosquito do Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes aegypti e à Microcefalia.
O projeto “Crianças contra Zika” é formado por uma série de seis videoclipes, com diferentes técnicas de animação e canções elaboradas por músicos brasileiros, que abordam o vírus Zika e o combate ao Aedes aegypti, a fim de incentivar crianças e adultos a adotar atitudes contra o mosquito. O material será veiculado semanalmente pelo SBT, como parte da programação infantil, por meio da plataforma SBT do Bem. O canal também irá exibir minidocumentários, contando o processo de criação de cada compositor.
A série será disponibilizada, ainda, nas redes sociais, e as seis canções serão lançadas e distribuídas, posteriormente, em mais de cem serviços de transmissão de música e lojas virtuais, como iTunes, Google Play, Spotify, Deezer e Apple Music.
Os artistas convidados André Abujamra, Zeca Baleiro, Hélio Ziskind, Arnaldo Antunes, Xis, Marisa Orth e Palavra Cantada compuseram e interpretaram as canções, sob a curadoria musical de André Abujamra. Também participa do projeto a cineasta Baboo Matsusaki, que assina a abertura e o encerramento do filme “O Menino e o Mundo”, indicado ao Oscar 2016, como melhor longa de animação.
O diretor de Comunicação Social do Ministério da Saúde, Walter Vasconcelos, explica que o projeto é importante para a mobilização da sociedade contra o Aedes aegypti, a partir da conscientização das crianças. “De forma lúdica, o projeto cumpre um papel significativo de engajamento popular para o combate ao mosquito. É importante despertar essa consciência nas crianças, para que elas adotem as ações de prevenção desde cedo. Além disso, sabemos que elas multiplicam o conhecimento entre os familiares, promovendo uma mudança de comportamento dentro de casa”, avalia. Vasconcellos ressalta que a qualidade artística dos videoclipes faz com que o material tenha grande apelo, também, entre os adultos.
Clique aqui para ler a matéria completa.

Fonte: Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/22902-ministerio-da-saude-lanca-serie-educativa-criancas-contra-zika>. Acesso em 31 MAR. 2016.